O Que é Meningite Bacteriana? Quais os Sintomas? Tem Cura? Prevenção!

Qualquer tipo de meningite necessita de cuidados médicos rápidos. Isso para que a doença não piore a saúde do paciente, deixando consequências irreversíveis. No caso da meningite bacteriana a procura pelo tratamento deve ser ainda mais breve. Esse tipo de meningite deve ser combativa o quanto antes, para não deixar sequelas graves no doente.

O que é Meningite Bacteriana?

A Meningite bacteriana é considerada uma doença grave. É também conhecida por meningite meningocócica. Trata-se da infecção das membranas que envolvem o sistema nervoso central, ocasionada por bactérias. Estima-se que mais de 80% das meningites que afetam as pessoas são de causa bacteriana.


Quais os sintomas?

A meningite bacteriana pode apresentar sintomas logo no início. Alguns sintomas são intensos, fazendo com o que paciente busque atendimento médico rapidamente. Outros portadores da doença, no entanto, podem ter sintomas leves e difusos no início da doença. Isso não é bom, pois costuma atrasar o tratamento. Entre os principais sintomas que a meningite bacteriana pode causar estão:

  • Estado mental alterado (como confusões mentais)
  • Febres altas
  • Sensação de calafrios
  • Manchas roxas pelo corpo, como se a pessoa tivesse batido a região em algum lugar
  • Náuseas
  • Vômitos
  • Fotofobia, que é a sensibilidade à luz
  • Erupções na pele
  • Aparecimento de pequenos pontos vermelhos na pele
  • Sensação de rigidez para movimentar o pescoço, condição conhecida como meningismo
  • Dores de cabeça intensas
  • Perda do estado de consciência
  • Moleiras inchadas (fontanelas)
  • Respiração dificultosa e acelerada
  • Irritabilidade
  • Falta de apetite
  • Postura diferenciada, onde o paciente permanece com a cabeça e o pescoço arqueados para trás. Isso devido à dificuldade de movimentação

Caso você apresente algum desses sintomas, recomenda-se procurar com urgência atendimento médico.

uma representação da Meningite Bacteriana

Como é a transmissão da Meningite Bacteriana?

A transmissão da meningite bacteriana é contraída através do próprio meio ambiente. A doença ainda pode ser ocasionada por três tipos de bactérias diferentes. São elas: Hemophilus influenzae, Neisseria meningitidis e Streptococcus pneumoniae. As três bactérias estão presentes no meio ambiente e podem afetar a pessoa entrando no organismo pelo seu nariz.

Em alguns casos, a meningite bacteriana pode ser contraída por meio de feridas na cabeça. Ainda por se desenvolver devido a baixas no sistema imunológico. Também existem caso de contágio pelo contato íntimo com portadores da doença.

Existem fatores de risco para a meningite bacteriana, ou seja, condições onde há maiores chances de se contrair a doença. Uma delas são pessoas que sofrem de infecções crônicas no nariz e no ouvido. Também estão mais susceptíveis a se contaminar aquelas pessoas que fazem consumo abusivo de bebidas alcoólicas.

Além disso, a meningite bacteriana é mais diagnosticada em crianças que tem 1 mês de idade até cerca de 2 anos de idade. Também percebe-se que a prevalência da doença é mais comum durante a primavera e o inverno. A doença ainda pode passar por períodos de epidemias, especialmente em locais com muitas pessoas aglomeradas, como:bases militares, internatos, albergues, etc.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da meningite bacteriana deve ser feito apenas por um profissional médico. O profissional, primeiramente, realiza um exame clínico, para se certificar se existem sintomas, como: presença de estado febril, erupções cutâneas, manchas vermelhas ou manchas rosas, cianose (manchas azuladas na pele), rigidez da nuca e de demais sintomas comuns da meningite bacteriana.

Caso o profissional médico considere que há possibilidades de o paciente estar com a meningite bacteriana, ele indicará um exame. Esse procedimento é extremamente importante de ser realizado em pessoas com suspeitas de meningite bacteriana. Trata-se da Punção Lombar. Nesse procedimento, o líquido cérebro-espinhal – também chamado de líquido cefalorraquidiano ou LCR – é coletado para a realizações dos exames laboratoriais.

Além disso, o profissional médico pode pedir outros exames ao paciente, como:

  • Raio-X do tórax
  • Hemocultura
  • Tomografia computadorizada da cabeça
  • Exame CSF da contagem de células, de glucose e de proteína
  • Contagem de glóbulos brancos
  • Coloração de Gram, outras colorações especiais
  • Cultura de CSF

Caso a meningite bacteriana seja diagnosticada, o paciente deverá iniciar o seu tratamento imediatamente.

Como prevenir a Meningite Bacteriana em bebês?

As mamães estão sempre preocupadas com a saúde de seus bebês. Quanto a meningite bacteriana, essa preocupação é ainda maior – já que a doença é considerada grave e pode deixar sequelas.

Porém, atualmente, quando as crianças nascem elas recebem diversos tipos de vacina e algumas delas ajudam na prevenção da meningite bacteriana.

Existe, inclusive, uma ação pública chamada de “Programa Nacional de Imunizações”, que disponibiliza vacinas de forma gratuita nas Unidades Básicas de Saúde de todo o país. Entre as vacinas oferecidas, algumas delas imunizam o paciente contra a bactéria Haemophilus influenzae tipo B (Hib), a meningocócica e a pneumocócica conjugada – bactérias que podem causar a doença.

Além disso, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda às mães que os bebês recebam a vacina contra o meningococo do tipo B – que ajuda a prevenir a meningite bacteriana, Porém, tal vacina só é aplicada em clínicas particulares.

Apesar dos pais terem de pagar pela vacina contra o meningococo do tipo B , essa imunização é bastante importante. Os especialistas afirmam que a vacina reduz muito as chances da criança adquirir a meningite e, mesmo que ela se manifeste, a gravidade da doença passa a ser bem menor para o paciente. Além disso, os médicos alertam que uma elevada parcela de crianças com menos de 1 ano não imunizadas correm sérios riscos de contrair a doença.

Como prevenir a Meningite Bacteriana em bebês? – Parte 2

Outros fatores que contribuem para que o bebê não seja contaminado pela meningite bacteriana é não colocá-lo próximo à fumaça de cigarro. Os pais devem fumar fora de casa, pois a fumaça vinda do cigarro costuma aumentar as chances de o bebê desenvolver a meningite, além de outras doenças do trato respiratório.

Cuidados de higiene também podem reduzir o risco dos bebês adquirem a meningite bacteriana. As recomendações é não compartilhar utensílios do bebê com adultos e higienizar adequadamente as mãos para mexer na criança. Manter objetos e pelas de roupas do bebê bem lavados também trata-se de uma forma de reduzir um possível contágio da doença.

uma representação da meningite bacteriana

Meningite Bacteriana tem cura?

Sim, a Meningite Bacteriana tem cura. Quanto mais precoce for o tratamento da doença, melhor o prognóstico para o paciente.

O tratamento da Meningite Bacteriana é feito à base da administração de medicações antibiótica  – podendo ser usado um tipo de antibiótico ou mais, simultaneamente. E os remédios devem começar a serem tomados o mais breve possível.

A escolha das medicações pelo médico costuma se dar após a identificação da bactéria que causou a meningite bacteriana. O tratamento ainda necessita do uso de medicamentos para abaixar a febre e controlar efeitos colaterais da doença, como os vômitos, dores de cabeça, falta de apetite, entre outros. Em alguns casos, o médico pode administrar também ao paciente medicamentos do tipo corticosteroides, por via endovenosa – isso para reduzir a inflamação das membranas cerebrais.

Os medicamentos mais usados para tratar a para Meningite bacteriana são:

  • Cilodex
  • Bepeben
  • Ciprofloxacino
  • Clocef

Vale ressaltar que a meningite bacteriana é uma condição grave e apenas um profissional médico pode lhe prescrever o tratamento adequado. Assim como as medicações que devem ser usadas, as quantidades, os horários e a duração do tratamento.

Jamais se automedique no caso dessa doença ou interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico, pois a meningite que não é 100% curada pode lhe deixar consequências graves e irreversíveis.

Assim como já mencionado, maiores são as taxas de sucesso de combate contra a meningite bacteriana quanto mais rápido se iniciar o tratamento. A taxa de mortalidade em decorrência da doença é de 5 a 15%, sendo as crianças e adultos acima de 50 anos a maior parte das vítimas.

Meningite Bacteriana causa sequelas?

bactéria da meningite

A meningite bacteriana quando não tratada adequadamente e em alguns casos esporádicos podem deixar algumas sequelas ao paciente. Geralmente, essas consequências decorrentes da doença afetam a capacidade física, psicológica e intelectual do doente. No entanto, grande parte dos pacientes se curam completamente da doença, sem apresentar sequelas.

Vale ressaltar que a sequelas são mais comuns em crianças e geralmente são:

  • Epilepsia
  • Perda de audição parcial ou total
  • Dificuldade de aprendizagem
  • Problemas de memória
  • Dificuldades de concentração
  • Atraso no desenvolvimento motor, com dificuldades para andar e se equilibrar
  • Perda de visão total ou apenas parcial
  • Possível amputação de membros – somente quando doença não é tratada e se espalha pelo corpo todo
  • Paralisia de um lado do corpo ou dos dois
  • Problemas nos rins
  • Artrite
  • Problemas nos ossos
  • Incontinência urinária
  • Dificuldade para dormir

Ela é contagiosa?

A meningite bacteriana, como já mencionada, é infecção grave e pode ser contraída através do contato íntimo com pessoas que tenham a doença. Portanto, enquanto o portador meningite bacteriana não estiver totalmente curado evite se aproximar muito do doente (pois pode haver troca de saliva), beijar ou comer com os mesmos utensílios. Infelizmente, as pessoas sadias devem se afastar temporariamente do doente para não correrem o risco de serem contaminadas.

Existe, porém, uma maneira de se prevenir da meningite bacteriana. Trata-se da vacina DTP + Hib (tetravalente) ou a Vacina contra o H. influenzae tipo b – Hib. Porém, as vacinas não protegem a pessoa 100% da doença e os cuidados para não contrair a meningite bacteriana devem permanecer sendo feitas.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *