Histerossalpingografia Ajuda Engravidar? Como é Feito o Exame? Dói?

A infertilidade é algo que ainda oferece seus mistérios no campo da medicina. No entanto, existem exames que ajudam a identificar problemas para que seja possível reverter essa condição. Esse é o caso da histerossalpingografia. Então, para saber mais sobre esse exame continue lendo. Descubra tudo o que você precisa saber.

O que é Histerossalpingografia

A histerossalpingografia é um exame ginecológico de raio-X das trompas e útero. É feito com contraste a fim de avaliar possíveis causas da infertilidade da mulher.

 

Porque é importante

A realização desse exame é muito importante para identificar possíveis problemas que dificultam a ocorrência de uma gravidez. Além disso, o próprio contraste injetado durante a realização do exame pode levar ao desentupimento de alguma obstrução das trompas. Isso facilita para que a mulher engravide.

Como é feito a Histerossalpingografia

Exame de histerossalpingografia


Nesse exame a mulher fica em posição ginecológica em uma sala devidamente equipada com aparelho de raio-X. O espéculo vaginal é introduzido e um cateter apropriado passa pelo canal do colo do útero.

É por esse cateter que o contraste é injetado, se espalhando pelas trompas e cavidade uterina. Caso as trompas não tenham obstrução, o contraste chegará à cavidade abdominal.

Assim enquanto o contraste é aplicado, vão sendo realizadas imagens da pelve para verificar a progressão do contraste, avaliando o útero e as trompas.

Contraindicações

As principais contraindicações para a realização da Histerossalpingografia são:

  • Casos de infecções agudas pélvicas
  • Reação de hipersensibilidade ao contraste
  • Suspeita de gravidez

Riscos da Histerossalpingografia

O mais risco decorrente de uma Histerossalpingografia é a possibilidade de o paciente apresentar reação alérgica ao iodo do contraste. Já em alguns casos mais raros pode haver um agravamento de uma infecção preexistente.

Além disso, é importante ressaltar que todos os procedimentos oferecem seu grau de risco. Mas, nesse caso o maior risco envolvido é a presença de dor e eventuais pequenos sangramentos, bem como uma possível alteração da pressão arterial.

Pré-requisitos

O exame de histerossalpingografia deve sempre ser realizado em um período determinado do ciclo menstrual, que é entre os dias 6 e 12, que ficam ao fim da menstruação e antes da ovulação. Dessa forma, a possibilidade de uma possível gravidez é bastante diminuída.

Além disso, é importante realizar a limpeza intestinal com auxílio de laxantes a fim de eliminar gases e fezes que podem atrapalhar a correta visualização do resultado.

Resultados do exame

No útero

Resultado normal é quando nota-se um plissado característico do canal cervical, cavidade uterina com paredes lisas e com forma triangulas com base voltada para cima.

Resultado alterado é quando o exame mostra doenças que invadem o útero, como pólipos endometriais, sinéguias e miomas, que causam uma falha no preenchimento da imagem uterina com o contraste.

Determinados casos o contraste pode invadir a musculatura do útero, formando alguns discretos contrastes, fazendo com que se suspeite de adenomiose sendo necessários mais exames para confirmar esse diagnóstico.

Nas alterações de malformação a imagem pode mostrar útero bicorno (com duas cavidades), septo uterino e até mesmo um útero unicorno (pela metade).

Nas trompas

Resultado normal é quando as trompas aparecem lineares, partindo da saída da cavidade uterina com discreta dilatação na qual se nota o pregueamento longitudinal com subsequente dilatação maior que fica antes da saída do contraste para a cavidade abdominal.

Resultado alterado é quando existem obstruções na passagem do contraste, que representam a presença de lesões as trompas, que podem ser decorrentes de processos como a laqueadura ou alguma sequela de infecção.

Resultado do exame de histerossalpingografia

A presença de pequenas falhas na imagem da região ístmica das trompas pode significar que existem pólipos, no entanto, essa condição dificilmente compromete questões de fertilidade.

No caso de sequelas de infecções podem aparecer vários tipos de imagem além da obstrução, tais como dilatações significativas com desarranjo do plissado característico, até um estreitamento significativo na saída do contraste.

Mesmo que as trompas estejam aparentemente pérvias, ainda será possível perceber imagens que sugerem infecções, tais como falta de mobilidade no exame (trompas fixas) envelopamento das trompas e sequestro de quantidade de contraste nas áreas peritubárias.

Onde fazer o exame de Histerossalpingografia

Na maioria das vezes os laboratórios que realizam exames de imagem e raio-X fazem a histerossalpingografia sem problemas e a maioria dos planos de saúde costuma cobrir a realização do mesmo.

Além disso, ele também é oferecido pelo SUS (sistema único de saúde), e pode ser realizado em diversos laboratórios de imagem e até mesmo em hospitais equipados com o aparelho.

Quem realiza esse exame, normalmente, é o médico radiologista que tenha experiência em patologias ginecológicas.

Pergunta dos leitores

Qual o preço da Histerossalpingografia?

O preço do exame de histerossalpingografia pode variar bastante visto que alguns planos cobre o valor integral e outros cobram apenas uma participação. Além disso, no SUS esse exame é totalmente gratuito mediante apresentação da requisição de um médico.

No entanto, embora possa varias bastante, inclusive de acordo com a região do país, em um laboratório o preço da histerossalpingografia fica em torno de uns R$ 500 reais.

Histerossalpingografia dói?

Não, o exame de histerossalpingografia não dói. No entanto é conhecido por ser um exame um tanto desconfortável para a mulher e pode ser que o médico receite o uso de algum tipo de analgésico para antes e depois do mesmo.

Histerossalpingografia ajuda a engravidar?

Histerossalpingografia Ajuda a Engravidar

Esse exame é realizado na intenção de conferir se o útero ou as trompas possuem algum tipo de anomalia em mulheres que apresentam dificuldade de engravidar. Também para identificar outros problemas ginecológicos que tenham relação à anatomia desses órgãos.

Sendo assim, dependendo do caso é possível averiguar qual o problema que está prejudicando a fertilidade e corrigi-lo.

No entanto, a aplicação do contraste ainda pode acabar “desentupindo” alguma possível obstrução das trompas. Isso permite que se possa engravidar em seguida do exame.

Porém, vale lembrar que esse não é o foco do exame e sim a identificação de possíveis problemas e patologias.

Grávidas podem realizar a Histerossalpingografia?

Não, de maneira nenhuma a histerossalpingografia é indicada para mulheres grávidas. A radiação do exame pode provocar graves falhas de saúde no feto, podendo provocar também o aborto.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *