Cranioestenose – Como identificar? Sequelas, Sintomas e Tratamento

A Cranioestenose é uma condição que se caracteriza pelo fechamento prematuro das calotas cranianas. Tem diferentes tipos que geram diferentes deformidades do crânio. Então para saber mais sobre esse problema, tratamentos, causas e demais detalhes, continue lendo e descubra tudo.

O que é Cranioestenose

A Cranioestenose nada mais é do que uma deformidade progressiva que acontece na cabeça do bebê. É decorrente de um fechamento precoce das suturas cranianas, que são articulações fibrosas que fazem a ligação entre os ossos da cabeça.

Causas de Cranioestenose

As causas desse problema podem estar associadas à condições da gestação e também à fatores genéticos. Acontece quando ocorrem algumas mutações genéticas bastante específicas.

No entanto, ainda não existe uma causa definida em estudo, portanto, não é possível afirmar uma causa com segurança.


Sintomas de Cranioestenose

O principal sintoma é o formato da cabeça da criança, que é assimétrico e piora com o decorrer dos meses. Vale lembrar que a função principal do crânio é proteger o cérebro. Além de sua função estética, o desenvolvimento simétrico do crânio é um indicativo positivo.

Como identificar Cranioestenose

Tipos de Cranioestenose

De uma forma geral, a Cranioestenose se apresenta em duas formas, as sindrômicas e as não sindrômicas. No entanto, existe mais de um tipo de Cranioestenose. Eles são definidos de acordo com o tipo de sutura fechada, sendo que a deformidade corresponde ao tipo de sutura que é fechada prematuramente.

Veja mais:

  • Sutura sagital – escafocefalia: esse tipo também e conhecido como clinocefalia ou dolicocefalia que corresponde ao fechamento prematuro da sutura sagital, que é a moleira. Nesse caso o crânio apresentará um alongamento exagerado no sentido antêro-posterior. Tipos de cranioestenose
  • Sutura metópica – trigonocefalia: esse tipo ocorre com a sutura prematura da fonte metópica e o paciente apresente a fronte mais estreita, uma crista mediana, tomando uma forma mais triangular. Normalmente essa condição esta associada ao hipotireoidismo e ocorre com 1 entre 2.500 crianças.
  • Sutura coronal unilateral – plagiocefalia: essa é a condição que corresponde ao fechamento prematuro da sutura coronal unilateral gerando uma assimetria do crânio e da face, com uma ascensão do lado que foi acometido, levando ao deslocamento do nariz e uma projeção da parte frontal contralateral àquela da sutura fechada precocemente.
  • Sutura coronal bilateral – braquicefalia: essa condição é caracterizada pelo fechamento das duas suturas coronais, fazendo com que ocorra um recuo frontal bilateral, que predomina na parte supra-orbital, podendo levar a um afastamento dos olhos.Uma curiosidade é que a sua incidência é um pouco mais elevada no gênero feminino.
  • Sutura lambdoide – plagiocefalia posterior: esse caso é bastante raro e é caracterizado pelo fechamento da sutura lambdoide unilateral, levando ao achatamento do lado correspondente à sutura que foi acometida. Além disso ainda é possível observar um deslocamento da orelha desse lado. Embora a sua incidência seja desconhecida, o estimado é que ocorra com 1 entre 50 mil nascidos vivos.

Como identificar (Diagnóstico)

A realização de uma tomografia com a reconstrução 3D é capaz de mostrar a sutura fechada prematuramente. A realização de um diagnóstico precoce é algo fundamental para um procedimento neurocirúrgico, bem como o planejamento do procedimento e da correção que deve ser feita.

Vale lembrar que é a tomografia craniana com reconstrução 3D que irá fornecer um diagnóstico definitivo dessa condição. No entanto, entanto, a sua recomendação deve ser feita com cuidado, somente quando for necessário visto que irá expor o SNC (sistema nervoso central) ao raio-x.

Tratamento da Cranioestenose

A cranioestenose é uma condição que tem tratamento e o mesmo deve ser iniciado, preferencialmente, até dos 6 meses de idade. Vale lembrar que a maioria das condições não são sindrômicas, apenas deformidades causadas pelo fechamento prematuro de algumas suturas que leva o crânio a se desenvolver em formatos específicos, como já foi explicado anteriormente.

O tratamento é exclusivamente cirúrgico e é importante a participação dos pais no planejamento do mesmo, lembrando que a criança que não for operada corre o risco de não atingir o seu potencial de inteligência e em determinados casos podem surgir deformidades das orbitas.

Sendo assim, é imprescindível ouvir as recomendações e seguir o planejamento médico que está fazendo o acompanhamento do caso.

O fato é que os avanços que a tecnologia vêm apresentando permitem um resultado estético e funcional muito melhor, através da fixação do crânio que foi remodelado pela cirurgia com miniplacas absorvíveis.

Quando operar e quando não operar da Cranioestenose

O período para realizar a operação é entre o 3º e 6º mês de vida. Nesses casos já houve um ganho de peso e o bebê já deve ter mais de 5kg. É importante esperar esse tempo a fim de compensar a perda sanguínea decorrente do procedimento cirúrgico.

Visto que o único tratamento para o caso é a cirurgia. No entanto, somente o médico é que irá determinar se o caso necessita de cirurgia ou não.

O fato é que quanto mais cedo for realizada a correção, melhor será o resultado final obtido, especialmente em correções do tipo braquicefalia e escafocefalia que são procedimentos mais complexos e podem necessitar mais um procedimento posteriormente.

Cranioestenose fotos

Pergunta dos leitores

Cranioestenose causa sequelas?

A cranioestenose, como já foi disto, se caracteriza pelo fechamento prematuro de uma ou mais suturas cranianas, gerando uma deformidade no crânio. Isso pode gerar um conflito entre o crescimento do mesmo e o encéfalo, resultando em hipertensão intracraniana crônica.

É justamente esse conflito que pode deixar sequelas visuais e mentais notórias.

Como é o pós operatório da cirurgia de Cranioestenose?

Durante a recuperação é preciso que haja acompanhamento médico cauteloso. Podem ser solicitados exames para averiguar o desenvolvimento do quadro e a recuperação do procedimento realizado.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre a Cranioestenose, o que é, como se desenvolve, suas causas e como é o tratamento.

2 Comments

  1. manuella 18 de novembro de 2018 Reply
  2. Marlon Roberto de Oliveira 9 de janeiro de 2019 Reply

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *